31 outubro 2007

Aniversário de Anjo

Também aniversário do "Anjinho do Zóinho Pendurado", a Bianca, que eu conheço desde menininha... lááááá do Regina Mundi.

FELIZ ANIVERSÁRIO, BIBI.

Bianca e eu, indo (ou voltando) do musical Sweet Charity.

Esses são os pezinhos da Bianca, que ela chama de "meus pezinhos felizes". Como não amar essa criatura, essa criancinha de 26 aninhos?

Depois vou contar da festa à fantasia dela, hohoho.

Marcadores: ,

Marcadores:

Caio/Chicago


Sábado passado, Caio fora do país, Bruno fora da Cidade e Felipe fora de casa. Só eu e O. Passei o dia vendo Família Soprano e dormindo, Soprano e dormindo. (nossa, lembrei do: morde e assopra hahaha) Foi o dia todo. De noite, a mesma coisa: Família Soprano e cama.
Cansei de descansar.
Caio ligou de manhã. Estava bem eufórico. A cidade dos ventos (Chicago) mostrou-se como é. Com muito vento e tranquila. Pessoas levando seus cães para passear e tudo fechado. Eram 6:30 da manhã de lá.
Ele, espertinho já estava atrás do ingresso para assistir Chicago Bulls. E não é que conseguiu? Divertiu-se demais, disse que foi uma das coisas mais interessantes da viagem. Pôde observar o comportamento das pessoas, o recurso, os prêmios oferecidos no estádio para os torcedores, o símbolo do time voando por sobre o estádio. Uma alegria.




Marcadores:

25 outubro 2007

Ave Maria!



Melhor ir dormir. O Jô acaba de apresentar "as meninas do Jô".
Pasmem! Ele está de paletó cor de vinho, com frisos brancos, camisa listrada na vertical e gravata listrada na diagonal. Sem contar que tem desenho no bolso, esqueci o nome daquilo.
É uma coisa estranhíssima. Vou ter pesadelos.

E eu... gostava tanto de vocêê....

24 outubro 2007

Da série emails fofinhos que recebo*

... a coisa anda muito preta e estou mais lisa que o cabelo da Suzana Vieira...

*parafraseando a bruxa

Avós lindas

Nininha (sentada) e Isabel. Respectivamente avós de Vivi, Vitor, Alex e Isabella, e Bianca, Bruno, Murillo e Marcella.
Nininha é mãe da minha amiga Vani, e Isabel é mãe da minha amiga Rosana.

Marcadores:

Para você.

Não quero
Mario Quintana

Não quero alguém que morra de amor por mim...
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim...
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível... E que esse momento será inesquecível...
Só quero que meu sentimento seja valorizado. Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre...
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor. Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém... e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho...
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento... e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo...
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe...
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,talvez obterei êxito e serei plenamente feliz. Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
Que a esperança nunca me pareça um "não" que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como "sim". Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros...
Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento. Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão... que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena!!!

Post emprestado.

Vi esse post no blog da Vera Vilela e com sua autorização posto aqui, na íntegra:


A RAINHA DO LAR

Assim dizia a mãe de Veratustra:

"Você tem uma ótima casa, comida à vontade, filhos com saúde, passeios, não precisa se preocupar em pagar contas, é praticamente uma RAINHA DO LAR, reclama do que? Ainda quer ser feliz? Ainda quer carinho e atenção? Ainda quer ser bem tratada? Quer um marido compreensivo? Quer ter vida própria?
Oras bolas. Feche o bico e já pra cozinha!"

ela foi fina, na verdade acho que ela queria dizer: cala a boca e chupa!

perdoem, mas foi inevitável.

23 outubro 2007

Negão e eu


Marcadores:

Marcadores:

Ele quer fazê-la acreditar que a única relação que tinha com a casa... se foi! E ela acredita!

Um dia desses separo um tempinho e
ponho em dia todos os choros
que não tenho tido tempo de chorar.

(C. Drummond de Andrade)

O artista e a tela

Angel e Jonas.
Beijo os dois!

quando fiz essa foto na casa da Vera, parece que eu estava adivinhando que eles ficariam com o primeiro lugar.
uauauaua

Expo Tatoo

Lembram que eu disse que domingo passado eu iria na 11ª Convenção Internacional do Led's aqui em São Paulo? Pois eu não fui. Não deu certo de ir e deredungue, mas vejam o que perdi! O prêmio da mais bela tatuagem de costas foi para o Jonas Pescatore, que tatuou essa maravilha cheia de detalhes nas costas da Angelita, sua mulher. (e minha amiga)

Pena, meus queridos, que eu não pude ir ver o concurso. Mas tenham certeza de que torci muito por vocês. Sei também que vocês ganharam outros prêmios. Aguardo notícias.

Kadja! Só ela quer ser bonita!

Ela é linda, parece uma princesa russa. E ela sabe que é linda. Exibida e orgulhosa (ela pode). Apresento-lhe Kadja, uma das gatinhas da Vera Vilela.



Alguma semelhança entre Kadja e os gatos de louça?
... e depois a mãe dela vem se queixar que ela quebrou o gatinho menor. Cosa fare? Ela tudo pode. Eu amo essa gatinha.

Cada uma... orkut.

Sorte de hoje: Você vai ganhar roupas novas

pfffffffffff

Gordolândia

E por que não?
Afinal de contas, a estética nada mais é

do que uma forma de comunicação.



De Chicago para Fort Wayne

Domingo ele ligou dizendo que o vôo para Fort Wayne deveria atrasar uma hora e meia. Estavam todos no saguão do aeroporto descalços, para que fossem verificados seus sapatos. É dureza, né? De brasileiro, parece, só tinha ele. A grande maioria era de americanos.
Contou que sentiu-se em Congonhas, tamanha agitação. As pessoas xingavam, exigiam, berravam, havia criança de colo e nada de informações. Caio sentiu-se em casa. Pudera!
Depois de 6 horas de atraso, ele chegou em Fort Wayne. A pessoa que deveria esperá-lo acho que se cansou, e deixou instruções para uma van do hotel. E ele continua animado.
Hoje já ligou de novo, contando coisinhas. Está sendo muito bom, e é gratificante ouví-lo tão entusiasmado.

-Nunca vi tanta gente mal educada!
-Como eles comem! Meu Deus, eles comem o dia inteiro!
-... comprei tá tá tá e tá... (não posso contar, estragaria algumas surpresas, hehe)
-As camisas amassaram, e eu peguei a tábua de passar, liguei o ferro e passei! (ohhhhhhhhhhhhhhh my god)

Pré check in

Já viu pré check in? Nem eu. Pois pra ir pros Estados Unidos, além do check in, há um pré check in. E isso para brasileiros, americanos e ou qualquer mortal.
-O senhor mesmo fez sua mala?
-Quando sua mala foi feita? Há quantas horas?
-Alguém o ajudou a fazer a mala?
-Nessas horas em que sua mala esteve pronta , alguém exceto o senhor teve acesso a ela?
-Nesse período, a mala esteve ao alcance de sua visão?
-O senhor está levando na bagagem de mão algum líquido? Creme dental? Arma? Tesoura? Faca?
E por aí afora. E olha tinha muito americano na fila. E todos passaram pela pré.
Ah, outro detalhe: não pode ter cadeado na mala.

Ele chegou bem em Chicago, gostou do pouco que conheceu da cidade, foi ver um jogo do Chicago Bulls (era o que ele mais queria), disse que fazia um friozão e que nesmo assim havia muita gente nas ruas passeando com seus cães (era sábado). Viu muitas lojas de grifes e teve dificuldade de encontrar um telefone público.
Mas notava-se que estava muito animadinho.
Ai, que alegria.

Minha criança

Sexta-feira, meu caçulinha Caio, de 25 anos, foi para Chicago. Foi estranho ver aquele menino entrando para a sala de embarque sozinho. Ao mesmo tempo foi lindo e emocionante. Ele estava entre o feliz, ansioso e preocupado. Não sei bem como explicar mas era algo como o dia em que ele falou a primeira palavra, andou sozinho, aprendeu a andar de bicicleta, a primeira aula de natação, o primeiro dia de aula, a primeira competição, o primeiro jogo de basquete... agora foi a primeira viagem de trabalho.
Você pode achar esquisito eu estar falando assim, mas mães enxergam dessa forma. Cada etapa vencida é uma alegria e para a mãe, cada conquista é valiosa, tenha o filho dez ou cinquenta anos.
Eu quis ficar firme, mas lágrimas grossas rolaram ao ver que meu menininho é um homem. E um homem responsável e inteligente.

Caio, filho... você é "o" cara.

Acha que eu não ia fazer uma fotinha do meu menino minutos antes do embarque? E com o pai!

22 outubro 2007

O que é isso?

Guilherme Arantes no programa do Tio Ronnie. O que aconteceu com ele? Velhinho, carequinha, boca murcha... desafinaaaaado!
Ele deve ter o que? Uns cinquentinha? Menino de tudo! E acabadaço! Tadinho do Guigui.

20 outubro 2007

Assim falou Mary W.

Você pode argumentar dizendo que conhece gente inteligente de todas as cores, sexos e orientações. Otimista, você. Eu conheço gente estúpida de todas as cores, sexos e orientações. A burrice é infinita e universal, me ensinou Marli Vianna. Professora de História dos meus tempos de graduação e ser humano que mais influenciou na vida.

(Mary W, sobre a declaração do James Watson)

Assim falou o pai de Veratustra.

Uma mulher pescando: puta!
Duas mulheres pescando: duas putas!
Três mulheres pescando: três putas!
Três mulheres e um homem pescando: normal.
Vinte mulheres e um homem pescando: normal!

Ela contou esse "causo" e o Caio antes de terminar, interrompeu:
"Três mulheres e um homem pescando: três putas e um cafetão"

Mais um comentário que virou post.

Hoje fui de novo ao *Fiu-Fiu e pesquei uns peixões bem grandes! Seu colega pescador estava lá e perguntou porque você não tinha ido. Já está famosa na área. Hoje tinham uns **ominhos da TV lá filmando, você devia estar lá...me deu uma saudade de vocês! ***Por que você mora tão longe hein? Humpft! buááááááááá

*Fiu-Fiu (nome do pesqueiro)
**Adoro o jeito da vera falar "ominho"
***Eu não moro longe, VeraLuz... tudo é relativo. Numa comparação: hoje eu em SP, estou pertinho da expo tatoos e você mora longe. hehehe. Amanhã tô lá.

O jantar

Para comemorar o dia da criança, a chegada de Caio e Rita e a amizade, Vera ofereceu para os amigos para um jantarzinho em sua nova casa.
Jantar, antepasto e sobremesa feitos por nós duas. Foi uma noite bem agradável divertidíssima.
Como são muitas fotos, coloquei algumas no slide, para não ficar cansativo. Digam se gostaram. Eu adorei. Bauru faz um calor.... afemaria!


Amigos de Bauru.

Vera e os artistas Jonas e Johnny Pescatore.

Angelita, Vera e eu

De frente
De costas*

A menina que está conosco na foto é linda. É linda de todas as maneiras. Tem um rostinho lindo, tem um belo corpo, e é toda tatuada. A tatuagem nas costas (que pega as costas inteirinhas) feitas pelo seu maridão o Jonas Pescatore, filho do Johnny, nossos amigos tatuadores de Bauru. Domingo (amanhã) eles virão para uma convenção de tatuagens aqui em SP, e eles vão concorrer. Espero que eles vençam. As costas da Angel são cheia de detalhes fantásticos e meticulosamente coloridos e preenchidos. Coisa de artista mesmo.
*Vera tem uma flor de lotus e eu, como sabem, o gatinho (que foi retocado e acrescentadas algumas coisas). Nossas tatoos somem perto da Angel. hehehe. Mesmo assim, fizemos questão de posar com a bonequinha.


teste testando testado

19 outubro 2007

Letícia

Hoje fui fazer uma visitinha rapidinha pra Letícia, que eu não via há exatos 15 dias. Que diferença! Ela cresceu e tá mais danadinha. Já se atira nos braços, mexe em tudo, mostra claramente o que ela mais gosta e nasceu um dentinho. Ela está linda!


Desde que Letícia nasceu, eu converso com ela, e repito meu nome. Hoje, basta falar tia Mariazinha e ela já abre um sorrisão. É lindo de ver.*
*Mas difícil de fotografar. Ela adora a câmera, mas não sorri pra ela.


ELLA me fez chorar com esse post:

Bocozices

Estava lendo (como faço quase todos os dias) o blog da Maria Angélica, mãe da Joana, e li esse post meigo e tocante, e com permissão dela, resolvi transcrevê-lo aqui no parla. Sempre tem alguém que conhece alguém, que conhece alguém, que conhece alguém.
Alô meus amigos de BH...

"A Cyntia é uma amiga queridíssima. É daquele tipo de pessoa que a gente se orgulha de conhecer, sabe? Porque tem uma forma de encarar a vida que poucas pessoas no mundo tem. Que eu não tenho. É otimista sem ser irracional. Encara as dificuldades com uma força incrível e, ao mesmo tempo, com uma leveza invejável. Mas não é dela que eu quero falar. É do filho dela, o Max. Um fofíssimo bebê de 7 meses, com olhos e um sorriso tão lindos e expressivos que é impossível não se apaixonar. O Max nasceu com uma cardiopatia congênita. Por conta disso, ainda está no hospital. Já passou por duas cirurgias e algumas outras complicações (como anemia), o que fez com que ele precisasse de várias transfusões de sangue.
E eu tenho duas boas notícias. A primeira é que essa história se aproxima de um final feliz. O momento tão sonhado de ir para casa ficar juntinhos dos pais está chegando. O Max está se preparando para ficar em casa, no sistema de "home care" (internação hospitalar). Eu não sei se vocês, que ainda não conhecem o Max, conseguem dimensionar o tamanho da felicidade que essa notícia significa.
E a outra boa notícia é que, se você estiver em BH, pode ajudar o Max. Por conta de tantas transfusões, a família está precisando de doadores de sangue. Como há um intervalo necessário entre uma doação e outra, os amigos não estão dando conta.
É aí que você entra e pode fazer diferença nessa história. Se estiver em BH, doe. Se não estiver, divulgue para os seus amigos que moram lá. Eu agradeço. A Cyntia agradece. E o Max te agradece. Com um sorriso. Te garanto que você terá poucas chances na vida que ganhar um sorriso como esse.´

As doações devem ser feitas em nome de Max Beltrão de Queiroz, no Banco de Sangue do Hospital da Unimed (Rua Juiz de Fora, 861 - Belo Horizonte), de 8h às 19h30.(se você quiser mais informações ou tiver alguma dúvida, é só me escrever. o email está aí do lado: bocozices@yahoo.com.br "

18 outubro 2007

Cabelo


Hoje fui tingir minhas raízes. Não as raízes da minha vida... as raízes dos cabelos

Por falar em missão cumprida...

Ontem assisti "Tropa de Elite".
É um bom filme, fiquei impressionada com a interpretação do Wagner Moura e Caio Junqueira, principalmente. Mas é um filme que incomoda. Dormi mal e senti medo.
A realidade incomoda.

Missão cumprida

Reginaldo, Iracema e eu saímos hoje à tarde para cumprir uma tarefa. Embora fosse uma coisa não muito agradável, conosco não tem enrosco, então tentamos manter o bom humor. Afinal de contas às vezes é preciso rir até das nossas tragédias pessoais.
Ao chegarmos no local, vi um estacionamento amplo e simpático e todos concordamos em estacionar lá, uma vez que na rua não cabia nem carrinho de sorvete.
Estacionamos e saimos todos pimpões (adoro essa palavra) e fomos cumprir nosso dever. Reginaldo pegou o papelzinho do estacionamento e sem sequer olhar, guardou no bolso.
Missão cumprida e mais ou menos duas horas depois, voltamos para pegar o carro.
Para nossa surpresa (tudo acontece comigo), Reginaldo de carteira em punho, entregou o papel do estacionamento pro rapaz e ouço o seguinte diálogo:
-Quanto é?
-Quanto é, como?
-Ora, qual o preço do estacionamento?
-O estacionamento é grátis.
-Como asssim, grátis?
-O senhor foi na loja?
-Que loja?
-Aquela ali. (e apontou pra uma imensa loja no outro lado da rua)
-Não. Não fui.
-Ah... esse estacionamento é da loja.
-Xi... nós não fomos na loja. E agora? Quanto eu pago?
O rapaz, deu uma coçadinha na cabeça, olhou bem para nós três e disse:
-Nada, não. Não é nada. Podem pegar o carro e ir embora.

Se tivéssemos agido de má fé, provavelmente pagaríamos, mas foi tão sem intenção. Resultado: caimos na risada.

Três tchentchos e nenhum percebeu que era estacionamento de loja.

17 outubro 2007

Cotidiano

Almoço

Jantar

16 outubro 2007

Refresco

Para refrescar das brontolações, um pouco dos gatos da Vera:
Esta é a Dorinha, a caçula da casa. Meiga e linda, ela "mora" no quarto.
Ai, que vontade de morder!



O que você faria?

Ontem para quebrar a rotina, deixei meu "Família Soprano" e assisti um filme espanhol no telecine cult, "O que você faria?" (El método)
Nem sei o que dizer. Gostei e detestei ao mesmo tempo. Não deixa de ser interessante, mas de repente, a gente se sente tão trouxa...
pffffffff

Sinopse: Em Madri, sete aspirantes a um alto posto executivo se apresentam a uma prova de seleção de uma empresa multinacional. Entre eles, as personalidades mais díspares: o confiante, o agressivo, a mulher insegura, o crítico, o indeciso... Depois de um labirinto de formulários, incertezas e burocracia empresarial, os sete participantes encontam-se juntos em uma fria sala que uma secretária os conduziu, esperando o começo do processo de seleção.

Maria

Segunda feira logo cedo, um papo com a Maria. (lembram que ela come a última vogal das palavras? Então. O diálogo: (começando com ela)

-Déia vai pra Bahia.
-Vai pra ficar?
-Não. Vai pra ver o pai que tá doent.
-Ah...
-Ela adiantou as féri e vai esse mês.
-Ela trabalha em casa de família?
-Não... ela trabalha banan. (fazendo gesto com as mãos pra cima)
-Com banana?
-Não! Ela trabalha banan! (meio irritada) (ainda fazendo gesto)
-O que é banan?
-Banano bandeirin no metrô.
-Abanando bandeira?
-É! Tão difícil assim entender? Banan! (irritadíssima)

Juro, não foi sacanagem. Eu não entendia mesmo. Banan!

Pausa para reclamação

Essa semana era pra Vera estar aqui, e iríamos no Museu do Ipiranga, no Mercado Municipal e no "Velhão". Mas ela mudou de idéia na última hora. Pena. Humpf!

(E iríamos no Nico com a Cris K. E iríamos no chinês com a Mixi)

A praça

Perdi toda a sequência das coisas que fizemos juntas. Mas enfim... teve um dia que fomos ao banco e ao correio. Compramos abacaxi (nunca vi tão doces) com dinheiro falso. Mas isso é uma longa história, que um dia quem sabe eu conte. Hehehe.
Paramos o carro para ir ao correio e fomos até a Praça Cerejeiras. Lindíssima.

Eu, na ponte da praça.

Vera Luz, na "costela de adão", que fica na frente do laguinho.

Eu e os coquinhos.

As carpas do laguinho



Eu queria "pegar" uma muda de costela de adão, mas como ali era de patrimônio público (prefeitura) a Vera não deixou. Insisti, e ela me mostrou um homem que tomava sorvete e nos observava. É funcionário daqui - disse ela.
Bom, quando eu já estava resignada a ficar sem a muda da costela de adão, eis que o "ominho" que tomava sorvete, joga o papel no chão. Ficamos putas. Começamos a andar em volta do laguinho e vimos várias "porquices", com todo respeito aos porcos de quatro patas.
Vim sem a muda, mas indignada por saber que ainda se joga lixo num local tão lindo. Não temos educação mesmo.



Almoço.

Almoçamos ali no shopping e eu adorei a batata recheada deles. Diferente das de grife daqui. Muito boas e um preço fantástico. Tomamos um chopinho escuro cada uma, o suficiente pra Marieta aqui já falar em letra de fôrma.
Foi das poucas fotos que saímos juntas, pois o garçom era muito simpático e o movimento não era tão grande por causa da hora.

:o))

Rolê

Antes de irmos almoçar, fomos dar um "rolê" pelo shopping e encontramos uma lindíssima loja de produtos indianos. Muita roupa bonita. Estávamos encantadas. Mas a dona da loja (pareceu-me dona e não vendedora) insistia:
-Tem G e GG.
E nós duas, quietas, admirando as peças e fazendo alguns comentários entre nós.
-Tem G e GG. Aproveitem.
-Escute - disse eu - por que você insiste em dizer que tem G e GG? Nos acha gordas?

Hahahaha. Constrangi a mulher. Vera ficou com pena. Mas pense bem... eu não a destratei, apenas tratei de deixá-la intimidada. Afinal de contas, não perguntamos nada, certo? Dei risada mesmo.

Na terça

Fomos ao shopping center de Bauru. Precisava comprar um celular novo. Eu acabo com todos os meus telefones, não sei o que passa. Os que eu não perco, quebram. Fomos ultra-mega blaster master mal atendidas na loja. Mas firmamos pé, e comprei o tal aparelhinho. Afinal, o meu estava travando muito e eu já tinha ido numa loja vivo (com letra minúscula mesmo) aqui em SP, e o tratamento foi ainda pior que o de Bauru, que desisti.
Várias coisas aconteceram nesse dia. Vera, finésima, discutiu com o gerente da loja vivo. E com muita educação, deu de 10 no cara. Ô gente mal preparada, meu Deus...
Tomamos cafezinho no New York, que nos rendeu fotos engraçadas, encontramos crianças acompanhadas pelas professoras, e um menino gracinha olhou pra mim e disse:
-Ei, tira uma foto minha?
-Quem foi que pediu?
-Eu!!!! - responderam uns 10, levantando a mão.
Mas a Vera identificou o Lucas e sairam essas fotos:

É, amiga... nós atraimos mesmo as crianças.

Na loja da vivo presenciamos várias coisas engraçadas ou trágicas, dependendo da maneira como são olhadas. Nós, demos risada, claro. Mas as pessoas não são fracas. Entre tantas bizarrices, vimos um homem que chavecava a moça do balcão (que não acabava o atendimento nunca) e esse homem tinha (juro) engolido um pássaro preto (também conhecido como vira bosta) e o rabo ficou pra fora.

Tatoo pronta...

Como ninguém é de ferro, fomos comer o macarrão do "Confiança". Estava divino, porém faltou o vinho.
Em casa, tratamos de bronzear mais um pouquinho la lêngua. Não temos fotos no "Confiança" porque... ah, sei lá porque, ora!
Justo nós duas que tiramos foto de tudo e de todos.

A caminho das estrelas.

Como já contei, cheguei domingo passado à noite em Bauru, depois de uma deliciosa (juro) viagem de busão no Expresso de Prata. Muito tranquilo viajar de ônibus.
Na segunda, depois de passar o dia todo paparicando os bichos da minha amiga, fomos à tardinha fazer, reformar, retocar e renovar a minha tatoo.
Johnny entendeu exatamente o que eu queria fazer. Cada estrelinha da minha tatoo representa um gato que O. e eu tivemos. Digo O. e eu, porque os que tive antes de casar foram tantos, que perdi a conta.
Depois que o meu querido Léo se foi (ai, que saudades, meu Deus...) decidi reformar a tatoo e acrescentar a estrela dele, Leozito. E ficou lindo. Não fiz uma estrela comum, e sim uma estrela maior, amarela alaranjada, onde ficou o gatinho (que já existia) sentado. Então... é como se o meu Leozinho fosse uma estrela e estivesse a caminho das outras estrelas.
"Me" dói muito falar sobre ele, mas é inevitável. Eu o amo tanto, sinto tanto a falta dele. E por mais que O. ainda esteja muito triste e praticamente sem falar comigo desde o acontecido, eu entendo a dor dele. Quer dizer... acho que entendo. Mas também sei que não dói mais que a minha. Eu penso que mereço respeito. Estou respeitando, mas não estou sendo respeitada.
De qualquer forma, esses dias fora fizeram bem (acho) a mim e a ele.




Minha tatoo renovada. Hoje ela está bem mais bonita... o rastro da estrela está bem suave, e a tem uma luminosidade.

Caras e Bocas

Algumas das muitas caras e bocas da semana de 8 a 16 de outubro, em Bauru.


Atraso.

Fiquei exatamente uma semana na casa da della em Bauru. Tanta coisa pra falar, tanta foto pra mostrar e eu aqui, meio sem saber por onde começar. (grande novidade, né?)
Me deu uma raiva, porque ella falou primeiro. Falou sintetizando (coisa que não consigo fazer) sobre o que a Vera tem de melhor: os bichos.
Ficar na casa da Verinha é muito de bom. Uma alegria imensa. Não dá pra ser infeliz com tanto bichinho rodeando a gente, e cada um com uma personalidade diferente.
Estou apaixonada por todos, mas dessa vez eu mesma me surpreendi com o meu "entendimento" com os cães. Foram minhas maiores paixões nesses 8 dias de calor intenso. (Ma como me fá caldo em Bauru, mama mia).
Eu deveria andar com um bloco na mão para fazer anotações para pequenos posts. É impressionante o número de "causos" por dia. O tanto que nos divertimos, o tanto que falamos com pessoas nas ruas, foi uma grandeza. Temos uma coisa em comum, que simplesmente não tentamos sequer entender. Nós atraimos crianças, velhos, animais e cumprimentamos até poste.
Devagar, vou colocar aqui algumas fotos minhas e da Verilda, pois fotos dos bichinhos são tantas, mas tantas, que terei que fazer uma espécie de "triagem". São todas tão lindas...

15 outubro 2007

teste

Dia 13 de outubro

Foi aniversário da minha amiguinha Rosana CordeRosa. Se eu esqueci? Claro que não. Falei com ela, cumprimentando. Mas não tive tempo para postar. Eu estava em Bauru, lembram? Posto aqui os meus parabéns pra essa moça que eu admiro tanto.
Zã, não tem fotos do Bru. Pena, né? Infelizmente naquela "limpa" foram tantas fotos embora... você poderia me abastecer, heim? Um beijo, espero que goste.


09 outubro 2007

Provas do crime

Que dor, mamãe!
Tatuador rindo dela
Ela rindo de mim

Produto final*

*Não considerem o vermelhão





Bauru

Cheguei aqui em Bauru, domingo por volta de 21:30. Calorão. Mais de 30 graus, fora o calor humano.
Verinha foi me buscar na rodoviária, em seguida formos buscar a Samira na casa do Rafa. Chegamos e depois de ter apertado todos os gatos e feito todo tipo de onomatopéia que traduza admiração, beijei os cães, e jantamos o delicioso cupim feito por ela. Em seguida, acompanhadas por pelo menos 4 dos gatos, tratamos de ir logo para o quarto parlar até quase dar nó na língua. Se fosse de dia, ao ar livre, certamente estaríamos com os dentes e línguas bronzeados.

Na segunda, depois de acordar as 11 da manhã, tomar um belo café com pãozinho de fubá e erva-doce, enrolamos a manhã toda, aliás, manhã que já estava no final.
Parla que parla, chegou a hora de ir para o estúdio do Johnny, retocar minha tatoo, e acrescentar uma estrela e um rabo de cometa.

Não senti dor quando fiz a primeira tatoo, e quando o Johnny começou, eu também não senti. A Vera e a Rita não se conformam que pra mim não dói. E não dói mesmo. Mas quando ele passou a preecher a estrela amarela (nova) e o rastro do cometa, ai, mamãe... que dor.. ma como me doeu! Acho que foi de tanta torcida.
Vera mal conseguia disfarçar o riso de alegria. Finalmente a Marieta estava sentindo dor. Ela até ligou pra Rita pra contar.
Maledetas!

O tatuador, praticamente gargalhando ainda me disse:
-Eu nasci pra fazer as mulheres sofrerem.

Eu acho que ele ria porque a Vera disse que o rabinho é mais dolorido mesmo!

QUER SABER DE MIM?

Entre aqui e veja a sacanagem daquelotra.

deixa ela, minha vingança sará maligrina!

07 outubro 2007

Tô de olho em vocês!


Comportem-se que eu volto em uma semana. Talvez eu poste algo de "lá". Tô de olho em vocês!
Tchau e não me esqueçam!

Que coisa mais linda e emocionante eu vi!

Ontem fui na casa do Mario e da Linda, e mal cheguei minha mãe falava com muita ansiedade sobre o fato novo que aconteceu na casa ao lado. A vizinha deles tem uma cachorrinha que deu cria a um cãozinho, que nasceu morto. Mel é o nome da pincher. Ao mesmo tempo, a gata da norinha dessa vizinha deu cria a 5 gatinhos, e eles tiveram a feliz idéia de "dar" um dos gatinhos para a Mel, pra ver se acabava o desespero dela procurar o filhote.
No que deu? A Mel adotou totalmente o gatinho, vejam fotos abaixo. É a coisa mais linda e emocionante de se ver. Mel cuidando, lambendo, limpando e amamentando o gatinho, que percebam, mal abre os olhos e as orelhinhas ainda estão grudadinhas, tão novinho ele é.

O pai da vizinha, tirou o gatinho (que parece com meu Leozito) da caixa e a Mel foi buscar, trazendo pela boca. Ou seja: é filho dela MESMO.
Evitei de tirar mais fotos, pois notei o estresse da cachorrinha e achei melhor deixá-la sossegada.
Mas eu vi. Eu vi o gatito mamando na cachorrinha. Coisa mais doce e linda do mundo.




Aqui se nota bem o tamanho do bebê. E a mãe é minúscula também.

Post dedicado à todas as pessoas que como eu amam os animais. Em especial para Cris K., Rita, Vera, Clarice, Cláudia, Amanda e Luciana.